O que é o Jejum Bíblico,para que serve e como praticá-lo?

06/03/2021

O jejum é a abstinência total ou parcial de alimentos por um período definido e propósito específico. Tem sido praticado pela humanidade em praticamente todas as épocas, nações, culturas e religiões. Pode ser com finalidade espiritual ou até mesmo medicinal, visto que o jejum traz tremendos benefícios físicos com a desintoxicação que produz no corpo. Mas nosso enfoque é o jejum bíblico. Muitos cristãos hoje desconhecem o que a Bíblia diz acerca do jejum. Ou receberam um ensino distorcido ou não receberam ensinamento algum sobre este assunto.

Não há regras fixas na Bíblia sobre quando jejuar ou qual tipo de jejum praticar, isto é algo pessoal. Mas a prática do jejum, além de ser recomendação bíblica, traz consigo alguns princípios que devem ser entendidos e seguidos.

Jejum é uma disciplina espiritual. O próprio Jesus jejuou e disse que seus discípulos jejuariam quando ele fosse embora (Marcos 2:20). 

O jejum mortifica a carne para que aprendamos a ser guiados pelo espírito e não por nossos desejos naturais. A prática aflige a nossa alma para que tenhamos maior domínio das nossas emoções e não sejamos dirigidos por elas. E libera a nossa fé, fortalecendo o nosso espírito e nos tornando mais sensíveis ao mundo espiritual. 

O propósito básico do jejum é buscar a Deus e sua intervenção sobrenatural em nossas vidas. Por que jejuar? Para ficar mais próximo de Deus Esta é a razão principal para jejuar, todas as outras são secundárias (Zacarias 7:5). Jejuar é uma forma de adorar a Deus e de o escutar melhor.

Outro benefício do jejum é o autocontrole. Desfrutar da comida é bom mas não devemos ser dominados por ela (1 Coríntios 6:12). Jejuar ajuda a pôr o corpo debaixo da autoridade de Deus. 

Assim como a oração é um caminho para acessar as bênçãos que o Senhor já nos oferece por Sua graça, o jejum também é uma forma de se conectar com o mundo espiritual e fortalecer a nossa fé, capacitando-nos a receber aquilo que Ele tem reservado para nós.

Por que fazer jejum antes do Sobrenatural? Para ativar a sua fé, estar sensível ao Espírito Santo e estar pronto para receber a intervenção sobrenatural de Deus. 

Gosto de uma afirmação de Kenneth Hagin acerca do jejum: "O jejum não muda a Deus. Ele é o mesmo antes, durante e depois de seu jejum. Mas, jejuar mudará você. Vai lhe ajudar a manter-se mais suscetível ao Espírito de Deus". O jejum não tornará Deus mais bondoso ou misericordioso para conosco, ele está ligado diretamente a nós, à nossa necessidade de romper com as barreiras e limitações da carne.

O jejum ajuda a liberar a fé! O que nos dá vitória sobre o inimigo é o que Cristo fez na cruz e a autoridade de seu nome. O jejum em si não me faz vencer, mas libera a fé para o combate e nos fortalece, fazendo-nos mais conscientes da autoridade que nos foi delegada.

Mas apesar do propósito central do jejum ser a mortificação da carne, vemos vários exemplos bíblicos de outros motivos para tal prática: 

a) No Velho Testamento encontramos diferentes propósitos para o jejum:

  • Consagração - O voto do nazireado envolvia a abstinência/jejum de determinados tipos de alimentos (Nm 6.3,4);
  • Arrependimento de pecados - Samuel e o povo jejuando em Mispa, como sinal de arrependimento de seus pecados (1 Sm 7.6, Ne 9.11);
  • Luto - Davi jejua em expressão de dor pela morte de Saul e Jônatas, e depois pela morte de Abner. (2 Sm 1.12 e 3.35);

  • Aflições - Davi jejua em favor da criança que nascera de Bate-Seba, que estava doente, à morte (2 Sm 12.16-23); Josafá apregoou um jejum em todo Judá quando estava sob o risco de ser vencido pelos moabitas e amonitas (2 Cr 20.3);

  • Buscando Proteção - Esdras proclamou jejum junto ao rio Ava, pedindo a proteção e benção de Deus sobre sua viagem (Ed 8.21-23); Ester pede que seu povo jejue por ela, para proteção no seu encontro com o rei (Et 4.16);

  • Em situações de enfermidade - Davi jejuava e orava por outros que estavam enfermos (Sl 35.13);

  • Intercessão - Daniel orando por Jerusalém e seu povo (Dn 9.3, 10.2,3).

b) Nos Evangelhos:

  • Preparação para a Batalha Espiritual - Jesus mencionou que determinadas castas só sairão por meio de oração e jejum, que trazem um maior revestimento de autoridade (Mt 17.21);
  • Estar com o Senhor - Ana não saía do templo, orando e jejuando freqüentemente (Lc 2.37);
  • Preparar-se para o Ministério - Jesus só começou seu ministério depois de ter sido cheio do Espírito Santo e se preparado em jejum (prolongado) no deserto (Lc 4.1,2);

c) Em Atos dos Apóstolos vemos a Igreja praticando o jejum em diversas situações, tais como:

  • Ministrar ao Senhor - Os líderes da igreja em Antioquia jejuando apenas para adorar ao Senhor (At 13.2);
  • Enviar ministérios - Na hora de impor as mãos e enviar ministérios comissionados (At.13:3);
  • Estabelecer presbíteros - Além de impor as mãos com jejum sobre os enviados, o faziam também sobre os que recebiam autoridade de governo na igreja local, o que revela que o jejum era um princípio praticado nas ordenações de ministros (At 14.23).

d) Nas Epístolas só encontramos menções de Paulo de ter jejuado (2 Co 6.3-5; 11.23-27). Há diferentes formas de jejuar. As que encontramos na Bíblia são:

 a) Jejum PARCIAL. Normalmente o jejum parcial é praticado em períodos maiores ou quando a pessoa não tem condições de se abster totalmente do alimento (por causa do trabalho, por exemplo). Indicado para iniciantes. Lemos sobre esta forma de jejum no livro de Daniel:

"Naqueles dias, eu, Daniel, pranteei durante três semanas. Manjar desejável não comi, nem carne, nem vinho entraram em minha boca, nem me ungi com óleo algum, até que se passaram as três semanas." (Dn 10.2,3).

O profeta Daniel diz exatamente o quê ficou sem ingerir: carne, vinho e manjar desejável. Provavelmente se restringiu à uma dieta de frutas e legumes, não sabemos ao certo. O fato é que se absteve de alimentos, porém não totalmente. E embora tenha escolhido o que aparentemente seja a forma menos rigorosa de jejuar, dedicou-se à ela por três semanas.

Em outras situações Daniel parece ter feito um jejum normal (Dn 9.3), o que mostra que praticava mais de uma forma de jejum.

b) Jejum NORMAL. É a abstinência de alimentos mas com ingestão de água. Foi a forma que nosso Senhor adotou ao jejuar no deserto. Denominamos esta forma de jejum como normal, pois entendemos ser esta a prática mais propícia nos jejuns regulares (como o de um dia).

c) Jejum TOTAL. É abstinência de tudo, inclusive de água (ou líquido). Na Bíblia encontramos poucas menções de ter alguém jejuado sem água, e isto dentro de um limite: no máximo três dias.

A água não é alimento, e nosso corpo depende dela a fim de que os rins funcionem normalmente e que as toxinas não se acumulem no organismo. Há dois exemplos bíblicos deste tipo de jejum, um no Velho outro no Novo Testamento: 

1) Ester, num momento de crise em que os judeus (como povo) estavam condenados à morte por um decreto do rei, pede a seu tio Mardoqueu que jejuem por ela: "Vai, ajunta a todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim, e não comais, nem bebais por três dias, nem de noite nem de dia; eu e as minhas servas também jejuaremos. Depois, irei ter com o rei, ainda que é contra a lei; se perecer, pereci." (Et 4.16).

2) Paulo, na sua conversão também usou esta forma de jejum, devido ao impacto da revelação que recebera: "Esteve três dias sem ver, durante os quais nada comeu, nem bebeu." (At 9.9).

Não há qualquer outra menção de um jejum total maior do que estes. A medicina adverte contra um período de mais de três dias sem água, como sendo nocivo. Devemos cuidar do corpo ao jejuar e não agredi-lo; lembre-se de que estará lutando contra sua carne (natureza e impulsos) e não contra o seu corpo.

Recomendações: 

  • Se você não está acostumado a jejuar, comece com um jejum pequeno (meio dia). Vai aumentando o tempo aos poucos e de acordo com o que sentir que é a vontade de Deus.
  • · Se você pode, aproveita o tempo da refeição para orar.

  • Para diminuir efeitos negativos, alguns dias antes de jejuar, pare de beber chás/sucos/refrigerantes.

  • Não coma muito antes de começar o jejum.

  • Beba água com frequência.

  • Se você se sentir um pouco tonto ao fazer movimentos, mexa-se mais devagar. Não quebre o jejum com comida muito pesada ou gordurosa.

  • Se você sentir de Deus que deve parar, então pare.

  • Se você tem problemas de saúde, procure uma opinião médica antes de decidir se vai jejuar.

  • Existe jejum de redes sociais, televisão ou games? Ao falar sobre a relação íntima do casal, Paulo orienta que não deveria haver restrições, exceto se, por mútuo consentimento, por motivo de jejum (I Co 7:5). Isso me leva a entender que há, a Bíblia mostra que há outros tipos de jejum que não somente alimento. Porém, não é indicado que só se façam jejuns de hábitos sem que haja jejum de alimento também - ainda que, para alguns, seja sacrificial ficar sem redes sociais e televisão e que tenha muitos benefícios.

Encerro desafiando-o a praticar mais o jejum, e certamente você descobrirá que o poder desta arma que o Senhor nos deu é difícil de se medir com palavras. A experiência fortalecerá aquilo que temos dito. Que o Senhor seja contigo e te guie nesta prática! 

Autor Parceiro: Pr. Flávio Ferreira

Esta mensagem esclareceu suas dúvidas? Você sentiu Deus falar ao seu coração? Certamente, muitas outras revelações a Bíblia lhe dará! Você aceita esse presente? Então, clique agora no botão abaixo: