Deus precisa do meu dinheiro?

06/04/2021

Ainda que o tema seja delicado e polêmico, à luz da Bíblia se torna claro tanto para que haja entendimento sobre o real motivo pelo qual dízimos e ofertas foram estabelecidos como também para que haja sabedoria na hora de discernir se um apelo vem de Deus ou da parte de homens que dizem trabalhar para Deus, mas que, na verdade, tiram textos fora de contextos para armarem pretextos e confundirem a mente dos fiéis e acumularem tesouros nesta Terra. Além disso, muitas são as maneiras como as igrejas fazem uso do dízimo, mas a Bíblia revela o modo correto.

O primeiro argumento para responder à pergunta do título está baseado no simples fato de que nada do que alguém diz ter realmente é dele. Pois, você pode dizer que tem casas, carros, ouro e etc. Porém, a Bíblia afirma em 1 Coríntios 10:26 que "do Senhor é a terra e tudo o que nela existe." Isto é, se alguém tem posse de algo este pode ser considerado uma permissão ou empréstimo divino. Cabe ao homem reconhecer ao Senhor como Dono de todos os seus bens, inclusive de si, porque foi feito pelas Suas mãos.

Hora de reformular a pergunta: E se, então, tudo pertence a Deus e Ele permite que algumas coisas estejam sob os seus cuidados, por que a Bíblia revela algumas ordens de Deus, como em Malaquias 3:10 quando diz: "Trazei todos os dízimos à Casa do Tesouro"?

Bem, antes dos próximos argumentos, este presente texto tem o objetivo de elucidar o assunto segundo a Bíblia, porque é o objetivo maior. Depois, tratará de mentiras e blasfêmias que nada tem a ver com o que foi instituído por Deus.

Sabe-se que o tema é extenso e o dicionário mesmo apresenta a palavra dízimo com o seguinte significado: "A décima parte de algo, décimo" (Michaelis, Uol).

A Casa do Tesouro citada no versículo de Malaquias é o templo de Deus. E o próprio verso continua e explica: "para que haja mantimento em Minha Casa." Isto é, a igreja de nossos dias, assim como aquela do Antigo Testamento, também tem seus custos de manutenção como taxas de água, luz, telefone, zeladoria, salário de pastores e obreiros, campanhas evangelísticas e etc.

O propósito do cristão é o mesmo de Cristo e sua missão é cumprir a ordem indicativa do último sinal que precede Seu retorno: "E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim" Mateus 24:14.

A verdadeira pregação do evangelho sobrevive através de recursos que são, voluntariamente, doados e a maior motivação do doador é participar do cumprimento do evangelho em todo mundo. Perceba que Jesus não vai voltar somente para brasileiros ou para quaisquer outros povos exclusivamente, Ele voltará a todos, porque diz a Palavra que "todo olho O verá" (Apocalipse 1:7).

Se o dizimista e ofertante tem outras motivações, sendo estas particulares e não pelo senso de missão, existe um grave equívoco no seu proceder e se é seu desejo seguir a verdade, precisa haver uma urgente inversão de valores para a motivação correta. Pois, os recursos depositados em uma salva não são recebidos por Deus como moeda de troca para que o crente receba as bênçãos do Senhor. O valor é entregue, porque foi dizimado de uma bênção que o indivíduo já recebeu. Deus não cobra dízimo de quem não tem renda.

E, por falar nisto, os primeiros dízimos eram devolvidos ao Senhor por intermédio das primícias do campo, ou seja, dos frutos colhidos (Levítico 27:30).

E quando é dito aqui que o dízimo é uma devolução , o termo usado tem como base Malaquias 3:8, onde diz que aquele que não dizima se apropria indevidamente de algo que não é seu, mas de Deus. Exatamente por isso do versículo dizer: "Contudo, vocês estão Me roubando. E ainda perguntam: 'Como é que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas."

Quando questionado pelos discípulos sobre impostos, obviamente em palavras do Novo Testamento, Jesus pegou uma moeda e vendo a figura do governante local disse: "Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus." Isso mostra que os discípulos questionavam se era correto pagar os impostos, não se era correto, de acordo com preceitos divinos, devolver o dízimo, porque disto eles já sabiam uma vez que mantinham esse hábito.

Deus requer muito mais do que dinheiro do coração humano. Ele pede a sua fidelidade e faz isso sabendo que, infelizmente, muitos são os casos de filhos que são dominados pelo dinheiro, tornando-o um ídolo, porque o colocam acima de Deus. E assim, não ajuntam tesouros no céu (e a ênfase aqui consiste na salvação de pessoas), mas acumulam tesouros na terra onde a traça e a ferrugem consomem, contrariando Mateus 6:19,20.

Quebrando o mito: Não é pecado ter dinheiro. Ele foi feito para servir, e seus efeitos são muito admiráveis quando usado na obra de Deus em atendimento à ordem dada por Ele como também em causas beneficentes e para a estabilidade financeira e sábia administração de projetos pessoais, familiares e profissionais. Deus é dono de toda prata e de todo ouro. Quem suplica a Ele, recebe sabedoria para fazer as divisões corretas e bons investimentos (Provérbios 2:6).

Dízimo é um instrumento que prova sua fidelidade para com o Criador.

Oferta é uma doação além do dízimo em gratidão ao Senhor e não há nenhum indicativo bíblico relacionado ao seu percentual. O valor entregue à Casa de Deus é proporcional às bênçãos recebidas e de acordo com o estipulado pelo próprio ofertante (Deuteronômio 16:10).

Já que a Bíblia foi aberta e revelada, é visto que diante de argumentos que alguns líderes religiosos usam no altar de Deus para persuadir os fiéis de que devem entregar casa, carro, dados bancários, cartão e senha à igreja, porque Deus é poderoso e dará tudo em dobro, perde-se completamente o aspecto missionário e introduz algo que é chamado de teologia da prosperidade, e isto não é bíblico ainda que a Bíblia esteja aberta e em suas mãos. Pois ali porções estão sendo extraídas da Bíblia para serem contaminadas por interpretações enganosas. E sobre isto o próprio Cristo alertou quando disse: "aparecerão falsos cristos e falsos profetas que realizarão grandes sinais e maravilhas para, se possível, enganar até os eleitos" Mateus 24:24.

2 Pedro 1-3 complementa: "Assim como, no passado, surgiram falsos profetas entre o povo, da mesma forma, haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao cúmulo de negarem o Soberano que os resgatou, atraindo sobre si mesmos repentina destruição. Muitos seguirão seus falsos ensinos e práticas libertinas, e por causa dessas pessoas, haverá difamação contra o Caminho da Verdade. Movidos por sórdida ganância, tais mestres os explorarão com suas lendas e artimanhas. Todavia, sua condenação desde há muito tempo paira sobre eles, e sua destruição já está em processo."

Deus torna Seus filhos prósperos para que usem a prosperidade com propósito e não por egoísmo.

Por fim, tenha cuidado para não ser enganado e prossiga cumprindo a vontade de Deus, expressada em Sua tão esclarecedora Palavra. Mantenha-se fiel, seja motivado para ver mais pessoas no Reino de Deus e entregue sua vida nas mãos do Criador, glorificando-O através do seu tempo, templo (corpo referido em 1 Coríntios 6:19), talento e tesouro.

Autor: Lucas Scherer

Esta mensagem esclareceu suas dúvidas? Você sentiu Deus falar ao seu coração? Certamente, muitas outras revelações a Bíblia lhe dará! Você aceita esse presente? Então, clique agora no botão abaixo: