Como experimentar a ressurreição de Cristo?

04/04/2021

Ali estava o Senhor da vida experimentando o amargo sabor da morte. O silêncio pairava sobre o corpo do Rei que, no sepulcro gélido, descansava. No Céu, os milhares de anjos que antes suplicavam a Deus por uma oportunidade para resgatar a Cristo dos sofrimentos e da própria morte, agora sentiam a maior de todas as perdas, tiveram de enfrentar o terrível luto do sepultamento de Seu Mestre. O Céu emudeceu, por tamanha separação. E o que dizer dos discípulos? Desolados, destruídos, com o coração despedaçado, porque Jesus havia partido e com Ele a esperança de um novo reino prometido.

Eles haviam se desapegado de bens e de projetos pessoais, para viverem os sonhos de Deus. E agora, onde Ele estava? Recomeçariam por onde, diante de tanta tristeza?

Os discípulos andaram, comeram, trabalharam, descansaram, sorriram e até brincaram com Ele. Passaram tempo suficiente para conhecê-Lo. Conviveram com a divindade do Senhor face a face. Escutaram o evangelho da boca do próprio Deus. Foi-lhes apresentado o plano da redenção pelo próprio Redentor. E no momento em que Cristo mais precisou de companhia e apoio horas antes de Sua morte, onde estavam? O que, de fato, entenderam daquilo que diziam ter aprendido? Quanto tempo de convívio com Deus realmente é necessário para compreender e viver a doutrina segundo o Seu coração? De um lado, fariseus, mestres da Lei, sábios perante uma comunidade inteira. De outro, eles, os discípulos "prontos" para cumprir o chamado do Senhor. Os primeiros O rejeitaram. Os doze O aceitaram, porém, ainda assim não discerniram o que, realmente, representava a Sua morte.

Para quem entendia que Jesus imperaria sobre o governo romano, Seu falecimento foi uma tragédia sem regresso. Prova de que os discípulos e outros que acompanhavam a jornada do Senhor Jesus na Terra pensavam assim, é a de que a mãe de Tiago e João pediu, gentilmente, a Ele que pusesse um de seus filhos à Sua direita e o outro à Sua esquerda (Mateus 20:21). Em certa ocasião, andando pelo caminho, os discípulos também disputaram sobre quem seria o maior no Seu reino (Lucas 9:46). E ainda que a resposta tenha vindo da parte do Senhor, eles não absorveram Suas palavras.

Tal como explicou para os discípulos, olhando fixamente para Pilatos, disse Jesus: "O Meu reino não é deste mundo; se o Meu reino fosse deste mundo, pelejariam os Meus servos, para que Eu não fosse entregue aos judeus; mas o Meu reino não é daqui" (João 18:36).

Foi no episódio posterior a procura do Senhor no sepulcro que Maria e os discípulos, tomados de espanto, em sala fechada, contemplaram Sua aparição e estiveram certos de que Ele havia ressuscitado (João 20:19-21).

Jesus sempre quis ter parte com o ser humano. Sua humildade ao lavar os pés de Pedro exemplificou muito bem esta ligação (João 13:8). Todavia, não apenas na Ceia, mas nas mais diversas fases do ministério de Cristo puderam eles, e hoje, você pode ter parte com o Senhor enfrentando flagelos, morte e também ressurreição.

1 Pedro 4:13,14 apresenta os desafios e perseguições por amor a Jesus: "Contudo, alegrai-vos por serdes participantes dos sofrimentos de Cristo, para que também vos alegreis e exulteis na revelação da Sua glória. Se sois insultados por causa do nome de Cristo, bem-aventurados sois, porquanto sobre vós repousa o Espírito da glória, o Espírito de Deus." Contudo, como expressado na letra do hino Além do Rio, glorioso será o dia em que os bem-aventurados exclamarão: "Compensou viver, lutar, vencer afinal." Aflições podem existir hoje, mas a vitória já está garantida na cruz. Ele venceu o mundo!

E, se hoje você deseja ter parte com Cristo em Sua morte e ressurreição, como Ele ordenou, deve cumprir as palavras de Romanos 6:3,4: "Ou vocês não sabem que todos nós, que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados em Sua morte? Portanto, fomos sepultados com Ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova."

Se existe um símbolo que representa temor, aceitação e fidelidade a Cristo por Sua morte e ressurreição este é o batismo, e não a observância do domingo, pois não há evidência alguma de uma capa à outra da Bíblia de que este dia foi santificado por Deus.

No batismo, como Cristo ensinou (Mateus 3:16), você é submergido nas águas e, assim, morre para a velha vida e renasce para uma nova, para um novo estilo de vida: segundo as obras que Cristo executou e conforme a Lei que guardou (Êxodo 20; Mateus 5:17).

Jesus Cristo é o centro de toda a Bíblia e da existência da vida humana. Sem a permissão dEle nada acontece. Sem hesitar, deixou o trono para ser injustiçado, sofrer as piores dores, morrer a morte que era sua e ressuscitar a fim de oferecer a você possibilidade de acesso eterno e vida de felicidade plena no Reino Celestial. Contudo, para ser salvo é preciso manifestar este desejo através desta prática, que é apresentada em Marcos 16:16: "Quem crer e for batizado será salvo. Quem, porém, não crer, este será condenado."

Para Deus, não existem coincidências, mas influências, e o Espírito Santo é a mais forte de todas. Neste dia, enquanto você reflete sobre a morte e ressurreição de Cristo, recebe a revelação e a ordem divina de morrer, sepultar os pecados nas águas batismais e ser reerguido para uma nova vida. O propósito de Jesus sempre foi o de salvar. E este propósito se concretizou em parte na Sua morte e ressurreição. Sobretudo, agora vem a segunda parte e está bem aqui em suas mãos.

Se você já foi batizado de acordo com o batismo bíblico, amém! Aproveite este tempo para renovar os seus votos com o Senhor. Mas, se você ainda não tomou a sua decisão, seja Atos 22:16 o versículo a apelar ao seu coração:

"E, agora, o que mais você espera? Levante-se, seja batizado e lave os seus pecados, invocando o Nome do Senhor."

Se ter parte com Jesus é sua sábia decisão, então, envie agora a frase: "Eu aceito ser batizado" para o whatsapp: 51 98329.5940. Terei a alegria de acompanhá-lo do preparo até a entrada no tanque batismal e, logo, em sua demonstração pública de amor a Cristo. Certamente, assim, a ressurreição de Jesus se cumprirá no seu renascimento. Deus está chamando você para viver esse recomeço.

Autor: Lucas Scherer

Esta mensagem esclareceu suas dúvidas? Você sentiu Deus falar ao seu coração? Certamente, muitas outras revelações a Bíblia lhe dará! Você aceita esse presente? Então, clique agora no botão abaixo: